A literatura infantojuvenil no ensino de jovens e adultos em Dourados-MS: a difícil tarefa de formar leitores

Iva Carla Aveline Teixeira dos Santos, Alexandra Santos Pinheiro

Resumo


O presente artigo procura tecer reflexões sobre a presença da literatura infantojuvenil no Ensino de Jovens e Adultos (EJA). A análise se pauta nas vozes de alunos do EJA de diferentes idades, com discursos marcados pela privação ao texto literário, infantojuvenil ou não. Diante das considerações feitas pelos estudantes, surgem inquietações a respeito das possíveis dificuldades do mediador para inseri-los no mundo da literatura, a começar pelo material didático que pouco contribui nesse sentido. A presença da literatura infantojuvenil nesta modalidade de ensino é de vasta importância, já que uma de suas funções, mesmo que implícita, é estimular a imaginação, garantindo a esses sujeitos o direito de apropriar-se de realidades lúdicas e repensar a sua própria realidade. Além disso, ela atua de forma rica e eficaz na formação do leitor. Sabe-se que hoje não se divide a literatura por faixa etária, mas ao trazer as vozes de alunos do EJA para esta reflexão, pode-se notar que, se não há a presença da literatura infantojuvenil, a prática da leitura é quase imperceptível. Esta análise dialoga com os especialistas da leitura na escola e do ensino de literatura, como  Barthes, Chartier, Candido, Cosson e Zilberman.

Palavras-chave


Literatura infantojuvenil; ensino; EJA

Texto completo:

PDF

Referências


BARTHES, R. Aula. São Paulo: Cultrix, 1980.

BETTELHEIM, B. A psicanálise dos contos de fada. Trad. Arlene Caetano. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1903/1980.

BRANDÃO, A. C. P. A leitura de textos literários na sala de aula: é conversando que a gente se entende. In: PAIVA, A.; MACIEL, F.; COSSON, R. (Org.). Literatura: Ensino Fundamental. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2010. p. 69-88.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: língua portuguesa. (3.º e 4.º ciclos do ensino fundamental). Brasília: MEC, 1998.

CANDIDO, A. O direito à literatura. In: CANDIDO, A. Vários escritos. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

CHARTIER, R. A aventura do livro: do leitor ao navegador. Trad. Reginaldo de Moraes. São Paulo: Editora UNESP/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 1999.

COSSON, R. Letramento literário: teoria e prática. 1. ed., 3. reimp. São Paulo: Contexto, 2009.

______. O espaço da literatura na sala de aula. In: PAIVA, A.; MACIEL, F.; COSSON, R (Org.). Literatura: Ensino Fundamental. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2010. p. 55-68.

EJA, 4.º ano, Volume 3, 2. ed. São Paulo: IBEP, 2009. (Coleção Tempo de Aprender)

EJA, 6.º ano, Volume 3, 2. ed. São Paulo: IBEP, 2009. (Coleção Tempo de Aprender)

EJA, 8.º ano, Volume 3, 2. ed. São Paulo: IBEP, 2009. (Coleção Tempo de Aprender)

FERREIRA, H. M. A literatura na sala de aula: uma alternativa de ensino transdisciplinar. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, UFRN, Rio Grande do Norte, 2007.

OLIVEIRA, A. A. O professor como mediador das leituras literárias. In: PAIVA, A.; MACIEL, F.; COSSON, R. (Org.). Literatura: Ensino Fundamental. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2010. p. 41-54.

PINHEIRO, A. S. O ensino de literatura: a questão do letramento literário. In: GONÇALVES, A. V.; LEAL, R. M. A.; PINHEIRO, A. S. (Org.). Leitura e escrita na América Latina: teoria e prática de letramento(s). Dourados: Ed. UFGD, 2011.

ZILBERMAN, R.; SILVA, E. T. (Org.). Literatura e pedagogia. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1990.

ZILBERMAN, Regina. (Org.). Leitura em crise na escola: as alternativas do professor. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Leitura: Teoria & PráticaAssociação de Leitura do Brasil (ALB)
e-ISSN: 2317-0972 - ISSN da edição impressa: 0102-387X