Cultura e experiência nos romances de Raymond Williams

Alexandro Henrique Paixão, José Ricardo Beltramini de Melo, Mariana Carvalho Murad

Resumo


Este trabalho, que combina sociologia da literatura e psicanálise, tem como enfoque discutir alguns elementos constitutivos da narrativa ficcional de Raymond Williams, tais como: as dimensões temporais (passado, presente e futuro); a transmissão de experiências na esfera familiar; a conexão entre as gerações e seus efeitos; os personagens de ficção de caráter fronteiriço (ou border) do romance Border Country; pontuações que contribuam para o debate acerca dos conceitos de cultura e experiência em Raymond Williams.

Palavras-chave


Raymond Williams; cultura; experiência; tipo border; Sociologia da Literatura; Psicanálise

Texto completo:

PDF

Referências


BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução de Sergio Paulo Rouanet. 7. ed. São Paulo, SP: Brasiliense, 1994.

CEVASCO, Maria Elisa. (2001). Para ler Raymond Williams. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

______. (2003). Dez lições sobre estudos culturais. São Paulo: Boitempo, 2003.

GLASER, André. (2011). Raymond Williams: materialismo cultural. São Paulo: Biblioteca 24 horas, 2011.

FREUD, Sigmund. Um distúrbio de memória na Acrópole. In: O mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias à psicanálise e outros textos (1930 – 1936). São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

______. Inibições, Sintomas e Ansiedade (1926). In: Volume XX Um Estudo Autobiográfico, Inibições, Sintomas e Ansiedade, Análise Leiga e outros trabalhos (1925~1926). Rio de Janeiro: Imago, 1996.

KLEIN, Melanie. Luto e suas relações com os estados maníaco-depressivos. In: Amor, culpa e reparação. Imago: Rio de Janeiro, 1996.

MANNHEIM, Karl. (1952). O problema sociológico das gerações. In: FORACCHI, Marialice. M. Karl Mannheim: sociologia. São Paulo: Ática, 1982.

SMITH, Dai. (2008). Raymond Williams: a warrior’s tale. Llandysul: Parthian, 2008.

WILLIAMS, Raymond. (1948). Lectura y crítica. [s.l.]: Ediciones Godot, 2013.

______. (1958). Cultura e Sociedade: de Coleridge a Orwell. Tradução de Vera Joscelyne. Petropolis, RJ: Vozes, 2011.

______. (1960). Border Country. Cardigan: Parthian, 2006.

______. (1961). The Long Revolution. Cardigan: Parthian, 1984.

______. (1964). Second Generation. London: The Hogarth Press, 1988a.

______. (1966). Los Médios de Comunicación Social. Barcelona: Península, 1978.

______. (1973). O campo e a cidade na história e na literatura. Tradução de Paulo Henriques Britto. São Paulo: Companhia de Bolso, 2011.

______. (1978). The Volunteers. Cardigan: Parthian, 2011.

______. (1979). A Política e as Letras. Tradução de André Glaser. São Paulo: Editora Unesp, 2013.

______. (1979). Marxismo e literatura. Tradução de Rio de Janeiro, RJ: Zahar, 1979.

______. (1979). The Fight for Manod. London: The Hogarth Press, 1988b.

______. (1985). Loyalties. London: Chatto & Windus, 1985.

______. (1989). Recursos da esperança: cultura, democracia, socialismo. Tradução de Nair Fonseca. São Paulo, SP: Editora UNESP, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Leitura: Teoria & PráticaAssociação de Leitura do Brasil (ALB)
e-ISSN: 2317-0972 - ISSN da edição impressa: 0102-387X