A presença feminina na docência e nos palcos do Rio de Janeiro oitocentista

Patricia Amorim de Paula

Resumo


Este estudo propõe um exame histórico-sociológico sobre o trabalho musical feminino nos anos 1808 a 1899 e sua contribuição para a formação das novas gerações de músicos e musicistas brasileiros. Para tanto, faz uso de pesquisa documental, tendo como fontes: jornais, biografias, dicionários e enciclopédias de música, obras literárias, cartas, obras de história da música e também do Brasil, entre outros documentos relevantes à temática. A questão que motiva esta análise é: por que a música ocupou lugar central na educação feminina oitocentista no Rio de Janeiro? A partir dela anuncia-se como o ensino de música passou a fazer parte do plano de estudos para uma educação feminina e como o trabalho das professoras estrangeiras e brasileiras de piano e de canto tornou-se fundamental para essa realização.


Palavras-chave


Educação feminina; musicistas; século XIX

Texto completo:

PDF

Referências


ALMANAK LAEMMERT: Administrativo, Mercantil e Industrial da Corte e Provincia do Rio de Janeiro para o anno de 1863, fundado por Eduardo von Laemmert, redigido por Carlos Guilherme Haring. Vigesimo Anno (segunda série XIV). Em casa dos Editores-Proprietarios Eduardo & Henrique Laemmert. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2018.

AZEVEDO, L. H. C. Escala, ritmo e melodia na música dos índios brasileiros. Rio de Janeiro: Rodrigues & Cia, 1938.

BINZER, I. Os meus romanos: alegrias e tristezas de uma educadora alemã no Brasil. Tradução de Alice Rossi e Luisita da Gama Cerqueira. 6. ed., rev. e bilíngue. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

CARVALHO, D. V. O gênero da música: a construção social da vocação. São Paulo: Alameda, 2012.

CITRON, M. J. Gender and the musical canon. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.

COSTA, E. V. Da Monarquia à República: momentos decisivos. São Paulo: Editora Unesp, 2007.

DEL PRIORE, M. (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2008.

D’INCAO, M. A. Mulher e família burguesa. In: PRIORE, M. D. (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2008. p. 223-240.

GINZBURG, C. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. Tradução de Federico Carotti. 4. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. p. 143-275.

LEITE, M. M. (Org.). A condição feminina no Rio de Janeiro, século XIX: antologia de textos de viajantes estrangeiros. São Paulo: HUCITEC/Pró-Memória, 1984.

LOURO, G. L. Mulheres na sala de aula. In: PRIORE, M. D. (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2008. p. 446-468.

Oliveira, R. P.; Adrião, T. (Org.). Gestão, financiamento e direito à Educação: análise da LDB e da Constituição Federal. São Paulo, SP: Xamã, 2001.

PAIXÃO, A. H. Leitores de tinta e papel: elementos constitutivos para o estudo do público literário no século XIX. Campinas: Mercado de Letras, 2017.

SAFFIOTI, H. I. B. A mulher na sociedade de classes. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

SAFFIOTI, H. I. B.; ALMEIDA, S. S. Violência de gênero: poder e impotência. Rio de Janeiro: Revinter, 1995.

WEBER, M. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Tradução de Regis Barbosa e Karen Elsabe Barbosa. Brasília: Editora Universidade de Brasília; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 1999.

WEBER, W. The history of musical canon. In: COOK, N.; EVERIST, M. Rethinking music. New York: Oxford University Press, 1999. p. 336-355.

WILLIAMS, R. Palavras-chave: um vocabulário de cultura e sociedade. São Paulo: Boitempo, 2007.

______. Cultura e sociedade: de Coleridge a Orwell. Petrópolis: Vozes, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Leitura: Teoria & PráticaAssociação de Leitura do Brasil (ALB)
e-ISSN: 2317-0972 - ISSN da edição impressa: 0102-387X