Imagem, sociedade e conhecimento: da História Cultural à Sociologia da Arte

Anderson Ricardo Trevisan

Resumo


Este artigo discute possibilidades de uso das imagens como caminho de construção do conhecimento. Para tanto, parte das primeiras discussões sistematizadas pela historiografia (Jacob Burckhardt e Johan Huizinga), passando pelos teóricos do Instituto Warburg (especialmente Panofsky e Gombrich) e finalizando com as proposições da Sociologia da Arte de Pierre Francastel. Em comum entre os autores escolhidos está a centralidade que as imagens têm enquanto caminho para o conhecimento da vida social e cultural. Como conclusão, compreende-se aqui que as imagens podem se revelar como excelentes fontes para o saber, desde que saibamos mobilizá-las a partir de métodos adequados.

Palavras-chave


Imagem e conhecimento; História Cultural; Sociologia da Arte; Pierre Francastel; imagem e educação

Texto completo:

PDF

Referências


BERGER, J. Modos de ver. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

BURCKHARDT, J. A cultura do Renascimento na Itália. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

BURKE, P. O que é história cultural? Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

BURKE, P. Problems of the Sociology of Art: the work of Pierre Francastel. European Journal of Sociology / Archives Européennes de Sociologie / EuropäischesArchiv für Soziologie, v. 12, n. 1, Permanent non-Revolution (1971), Cambridge University Press, p. 141-154. Disponível em: . Acesso em: 11/09/2019.

BURKE, P. Testemunha ocular. São Paulo: Editora Unesp, 2017.

COLI, J. O que é arte. São Paulo: Brasiliense, 2003.

FRANCASTEL, P. A realidade figurativa. São Paulo: Perspectiva, 1993.

FRANCASTEL, P. Études de Sociologie de L’art. Denoël/Gonthier: Paris, 1970.

FRANCASTEL, P. Pintura e Sociedade. Sao Paulo: Martins Fontes, 1990.

FRANCASTEL, P. Problemas da Sociologia da Arte. In: Gilberto Velho, Sociologia da Arte, II. Zahar Editores: Rio de Janeiro, 1967.

GINZBURG, P. De A. Warburg a E. H. Gombrich: Notas sobre um problema de método. In: ______. Mitos, emblemas, sinais: Morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. p. 41-94.

GOMBRICH, E. H. Truth and the stereotype. In: ______. The essential Gombrich. London: Phaidon, 1996.

HEINICH, N. La Sociología del arte. Buenos Aires: Nueva Visión, 2010.

HOLLY, M. A. Panofsky and the fundation of art history. New York: Cornell University Press, 1985.

HUIZINGA, J. Outono da Idade Média: estudo sobre as formas de vida e de pensamento dos séculos XIV e XV na França e nos Países Baixos. São Paulo: Cosac Naif, 2010.

MENEZES, P. A trama das imagens: manifestos e pinturas no começo do século XX. São Paulo: EDUSP, 1997.

MENEZES, P. Compreender as imagens: hipóteses para uma sociologia das artes visuais. In: Revista ArteUnesp São Paulo, v. 12, 1996.

MENEZES, P. O passado revisitado. In: TREVISAN, A. R. A redescoberta de Debret no Brasil modernista. São Paulo: Alameda, 2015.

PANOFSKY, E. Estudos de iconologia: temas humanísticos na arte do Renascimento. Lisboa: Estampa, 1986.

PANOFSKY, E. O significado nas artes visuais. São Paulo: Perspectiva, 1991.

PEVSNER, N. Academias de Arte: passado e presente. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

TREVISAN, A. R. A construção visual da monarquia brasileira: Análise de quatro obras de Jean-Baptiste Debret. 19&20 (RIO DE JANEIRO), v. IV, p. 1, 2009.

VELHO, G. Introdução. In: Sociologia da Arte, II. Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1967.

WÖLFFLIN, H. Conceitos fundamentais da história da arte: o problema da evolução dos estilos na arte mais recente. São Paulo: Martins Fontes, 1989.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Leitura: Teoria & PráticaAssociação de Leitura do Brasil (ALB)
e-ISSN: 2317-0972 - ISSN da edição impressa: 0102-387X