A compreensão e conceituação de livro num jogo de representações

Ilsa do Carmo Vieira Goulart

Resumo


Com a finalidade de se compreender quais representações são construídas a respeito da obra impressa, este artigo objetiva-se a apresentar algumas concepções descritas a respeito do livro, enquanto objeto concreto de estudo e materialização das palavras. Para tanto, o trabalho destina-se a uma reflexão teórica, ao articular um espaço de exposição e dialogicidade sobre as principais proposições e discussões que abordam sobre a temática do livro impresso. Assim, destaca-se a linguagem como processo discursivo de Bakhtin, articulada à concepção de livro de Deleuze e Guattari, de Sartre e à perspectiva da História Cultural nos estudos referentes à materialidade e à história do livro de Chartier e Darnton, entre outros autores que dialogam com a temática.

Palavras-chave


Livro; materialidade; discursividade

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6029: informação e documentação - livros e folhetos: apresentação. 2. ed. Rio de Janeiro, 2006. Disponível em: . Acesso em: 17 set. 2015.

BAUMAN, Z. O livro no diálogo global entre culturas. In: PORTELLA, E. (Org.). Reflexões sobre os caminhos dos livros. Tradução Guilherme João de Freitas. São Paulo: UNESCO/ Moderna, 2003.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 2006.

BORGES, J.L. Cinco visões pessoais. Tradução Maria Rosinda da Silva. Brasilia: UNB, 1985.

CHARTIER, R. A aventura do livro: do leitor ao navegador. Tradução Reginaldo de Moraes. São Paulo: UNESP, 1999.

______. Formas e sentidos. Cultura escrita entre distinção e apropriação. Tradução Maria de Lourdes Meirelles Matêncio. Campinas: Mercado de Letras, 2003.

______. História Cultural: entre práticas e representações. Tradução M. M. Galhardo. Lisboa: Difel; Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

______. A história ou a leitura do tempo. Tradução Cristina Antunes. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

______. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Tradução M. Del Priore. Brasília: Ed. UnB, 1994.

______. (Org.). Práticas da leitura. Tradução Cristiane Nascimento. São Paulo: Estação da Liberdade, 1996.

DARNTON, R. O beijo de Lamourette: mídia, cultura e revolução. Tradução Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs - capitalismo e esquizofrenia. Tradução Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995. vol. 1.

ECO, U.; CARRIÈRE, J. C. Não contém com o fim do livro. Tradução A. Telles. Rio de Janeiro: Record, 2010.

FARIA, M. I.; PERICÃO, M. G. Dicionário do livro. Da escrita ao livro eletrônico. São Paulo: EdUsp, 2008.

GOULART, I. C. V. O livro: objeto de estudo e de memória de leitura. 2009. 200f. Dissertação (Mestrado em Educação) Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.

______. Um livro, diferentes modos de ler. Revista Leitura: Teoria e Prática, Campinas, vol. 29, n.56, p.27-35, jan./jun., 2011. Disponível em: http://ltp.emnuvens.com.br/ltp/issue/view/5/showToc . Acesso em: 20 jul. 2011.

______. Entre a materialidade do livro e a interatividade do leitor: práticas de leitura. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, vol.12, n.2, p.1-19, maio/ago. 2014. Disponível em: http://www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/index.php/rbci/article/view/4102/pdf_59 . Acesso em: 28 ago. 2014.

GOULART, I. C. V.; FERREIRA, N. S. A. Relações que entremeiam leitor e livro: da materialidade à afetividade. Revista Álabe, Almería, Espanha, n.12, p. 1-16, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2016.

LAJOLO, M.; ZILBERMAN, R. O preço da leitura: leis e números por detrás das letras. São Paulo: Ática, 2001.

MACHADO, A. O fim do livro? Revista Estudos Avançados, São Paulo, vol.8, n.21, p.201-214, 1994. Disponível em:. Acesso em: 28 ago. 2015.

MALUFE, A. C. Aquém ou além das metáforas: a escrita poética na filosofia de Deleuze. Revista de Letras, São Paulo, v.52, n.2, p.185-204, jul./dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 09 set. 2015.

MARQUES, M. A. Filosofia da linguagem em Bakhtin, Deleuse e Guattari: proposições teóricas para Geografia e Literatura. In: COLÓQUIO NACIONAL DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM ESPAÇOS E REPRESENTAÇÕES, 5., 2013, Cuiabá, MT. Anais... Cuiabá: UFMT, 2013.

MARTINS, M. H. O que é leitura. 6.ed. São Paulo: Brasiliense, 1986.

MCKENZIE, D. The book as an expressive form. In: ______. Bibliography and the Sociology of Texts. Cambridge University Press, 1999. p.9-29.

PESSOA, F. Cancioneiro. [S.l.]: Ciberfil Literatura Digital, 2002. Disponível em: . Acesso em: 06 set. 2015.

RIBEIRO, A. E. O que é e o que não é um livro: suportes, gêneros e processos editoriais. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ESTUDOS DOS GÊNEROS TEXTUAIS, 4., 2011, Natal, RN. Anais... Natal: UFRN, 2011. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2015.

SARTRE, J.-P. O que é literatura? Tradução Carlos Felipe Moisés. São Paulo: Editora Ática, 2004.

UNESCO. Records of the General Conference. Resoluctions. Paris: Therteenth Session, 1964. Disponível em: . Acesso em: 17 set. 2015.

ZILBERMAN, R. Fim do livro, fim dos leitores? São Paulo: Editora SENAC, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Leitura: Teoria & PráticaAssociação de Leitura do Brasil (ALB)
e-ISSN: 2317-0972 - ISSN da edição impressa: 0102-387X