Mafalda e a escola: representações da educação argentina em cinco tirinhas de Quino

Raquel Cardonha Piacenti, Maria do Carmo Martins

Resumo


Ainda que, na atualidade, a história em quadrinho seja reconhecida tanto pelo seu alcance quanto por ser veiculadora de ideologias e conflitos, as HQs são uma fonte ainda pouco explorada pelos pesquisadores de um modo geral. Somente nos anos 1970 surgiram trabalhos que questionaram a ausência dos quadrinhos nos discursos acadêmicos e sua classificação como gênero menor. Este artigo entende os quadrinhos como uma importante forma de manifestação cultural e de representação de uma determinada época e contexto. Nesse cenário, analisa o impacto visual e constrói relações entre Mafalda – ícone das historietas – e o cenário educacional argentino da época em que a personagem foi produzida. Além das representações do ambiente escolar, o diálogo com essa fonte documental se faz articulando estudos históricos e estudos sobre a cultura visual, reconhecendo as especificidades da fonte em suas características estéticas e como produção cultural e artística, para propor leituras e interpretações.


Palavras-chave


História da educação; cultura visual; história em quadrinhos

Texto completo:

PDF

Referências


ASCOLANI, A. La Educación en Argentina. Estudios de Historia. Rosario: Ediciones del Arca, 1999.

ÁVILA, G. 1968: ideologia e contestação através das tiras de Mafalda. Porto Alegre: UFRGS, 2009.

BARALE, A. Mafalda: el humor gráfico según Quino. Revista Fuentes Humanísticas. Dossier La historieta gráfica: cómic, tebeo, y similares aspectos técnicos y de contenido en casos particulares, Ciudad de México, n. 39, p. 27-46, 2009.

BISSACO, C. Linguística de corpus: padrões léxico-gramaticais e sentidos metafóricos na obra Mafalda. Revista Educação e Linguagens, Campo Mourão/PR, v. 3, n. 4, p. 139-154, jan./jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2017.

COSSE, I. Mafalda: historia social y política. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2014.

DUSSEL, I.; CARUSO, M.; PINEAU, P. La escuela como máquina de educar: tres escritos sobre un proyecto de la modernidad. Buenos Aires: Paidós, 2013.

ECO, U. Mafalda la disconforme. In: Quino. Y digo yo. Barcelona: Pala, 1974.

______. Prefácio. In: Quino. Toda Mafalda: da primeira à última tira. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H. L.; RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica. Para além do estruturalismo e da hermenêutica. Tradução de Vera Portocarrero e Gilda Gomes Carneiro, com revisão de Vera Portocarrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. p. 231-249. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2016.

FREEDMAN, K. Cultura visual e identidad. Cuadernos de Pedagogía. Barcelona, n. 312, p. 59-61, 2002.

HERNANDEZ, F. La necesidad de repensar la educación de las artes visuales y su fundamentación en los estudios de Cultura Visual. Congreso Ibérico de Arte-Educación, Porto/Portugal, nov. 2001. Disponível em: < https://docs.google.com/document/d/1ofNjHTXbnCiC_HhBpbJt3KhtkzUk4ytjROeY0BLB7N0/edit>. Acesso em: 30 out. 2016.

IANNI, O. Imperialismo y Cultura de la violencia en América Latina. México: Siglo XXI, 1970.

MENESES, U. Fontes visuais, cultura visual, História visual. Balanço provisório, propostas cautelares. Revista Brasileira de História. São Paulo/SP, v. 23, n. 45, p. 11-36, julho. 2003.

OLIVEIRA, C. Mafalda na aula de História: a crítica aos elementos característicos da sociedade burguesa e a construção coletiva de sentidos contra-hegemônicos. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação)- Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

PINEAU, P.; DI PIETRO, S. Aseo y presentación: un ensayo sobre la estética escolar. Buenos Aires: Edición de autor, 2008.

PINEAU, P. La escuela en el paisaje moderno. Consideraciones sobre el proceso de escolarización. In: CUCUZZA, H. et al. Historia de la educación en debate. Buenos Aires: Miño y Dávila editores, 1996.

______.”Otra vez sopa”: Imágenes de la infancia y escuela en Mafalda. Procesos: Revista Ecuatoriana de Historia. Nº 22, P. 153 – 162, 2005. Disponível em: http://revistaprocesos.ec/ojs/index.php/ojs/article/view/233/302. Acesso em: 20 out. 2017.

PUIGGRÓS, A. Qué pasó en la educación argentina. Desde la conquista hasta el menemismo. Buenos Aires: Kapelusz, 1997.

QUINO. Toda Mafalda. Buenos Aires: Ediciones de la Flor, 2007.

RAMOS, P. Bienvenido: um passeio pelos quadrinhos argentinos. Campinas: Zarabatana Books, 2010.

ROSSI, K.; HENN A; GRÜMM, C. A. F.; LIMA, A. B. M. Malfada, a menina que questionou o mundo: arte sequencial como forma de resistência durante os regimes militares da América do Sul (1964-1973). IV FICE - Feira de Iniciação Científica e Extensão. Instituto Federal Catarinense, Videira, SC, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2016.

SCHARAGRODSKY, P. El cuerpo en la escuela. Revista Explora. Las Ciencias En El Mundo Contemporáneo. Programa de Capacitación Multimedial. Buenos Aires: Ministerio de Educación, Ciencia y Tecnología, 2011. Disponível em: . Acesso em: 16 mar. 2017.

SEIDE, M. As histórias de Mafalda e o ensino de Língua Portuguesa. Revista Trama, vol. 2, n. 3, p. 105-117, 2006. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2017.

SUAREZ, M. La representación de la educación en Mafalda. 2011. Dissertação (Mestrado em Ciencias de la Comunicación)- Facultad de Ciencias Sociales, Universidad de Buenos Aires, Buenos Aires, 2011.

VERGUEIRO, W. A pesquisa sobre as histórias em quadrinhos na universidade de São Paulo: Análise da produção de 1972 a 2005. São Paulo: Editora USP, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Leitura: Teoria & PráticaAssociação de Leitura do Brasil (ALB)
e-ISSN: 2317-0972 - ISSN da edição impressa: 0102-387X