Mídias, efeitos de sentido e práticas de leitura e escrita: o que nos contam as narrativas digitais?

Alessandra Rodrigues

Resumo


As histórias digitais, ou narrativas digitais, são aquelas construídas com e veiculadas por meio de recursos multi e hipermidiáticos. Por sua natureza multimodal e multissemiótica, essas narrativas unem a tradição humana de contar e ler histórias à contemporaneidade das tecnologias digitais; entrelaçam o antigo e o novo, o vivido e o devir num presente que desdobra o (im)possível preenchendo-o de significações. Assim, as novas mídias vêm alterando e, muitas vezes, ampliando as possibilidades discursivas das narrativas clássicas. Os efeitos de sentido possíveis advêm, nas narrativas digitais, de múltiplas semioses e a própria função-autor passa a existir em outro contexto discursivo (mais fluido e permeável à coautoria). Nesse cenário, este artigo volta-se à exploração das múltiplas possibilidades de leitura e escritura oferecidas pelas narrativas digitais, buscando apresentar os desdobramentos que essa nova forma de narrar pode trazer ao processo de criação de sentidos e construção de multiletramentos, tanto pelo autor quanto pelo leitor.

Palavras-chave


narrativas digitais; letramentos múltiplos; tecnologia educacional

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. E. B. Narrativa Digital. PUC/SP, 2017. No prelo.

ALMEIDA, M. E. B; VALENTE, J. A. Integração currículo e tecnologias e a produção de narrativas digitais. Currículo sem fronteiras, v. 12, n. 3, p. 57-82, set/dez. 2012. Disponível em: < http://www.curriculosemfronteiras.org/vol12iss3articles/almeida-valente.pdf>. Acesso em: 12 out. 2018.

BRUNER, J. Life as Narrative. Social Research, v. 71, n. 3, p. 691-710, fall 2004. Disponível em:. Acesso em: 01 nov. 2018.

BRUNER, J. Realidade mental, mundos possíveis. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

BRUNER, J. A Construção Narrativa da Realidade. Trad. Waldemar Ferreira Netto. Critical Inquiry, vol. 18, n. 1, p. 1-21, autumn 1991. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2018.

CHASE, S. E. Narrative inquiry: still a field in the making. In: LINCOLN, Y. S.; DENZIN, N. K. (Ed.). The SAGE Handbook of Qualitative Research. 4 ed. Los Angeles: SAGE, 2011. p. 421-434.

FISCHER, R. M. B. Mídia, máquinas de imagens e práticas pedagógicas. Revista Brasileira de Educação, v. 12, n. 35, p. 290-299, maio/ago. 2007.

FOUCAULT, M. O que é um autor? 2. ed. São Paulo: Vega, 1992.

JONASSEN, D. Computadores, ferramentas cognitivas: desenvolver o pensamento crítico nas escolas. Porto: Editora Porto, 2007.

KEARNEY, R. Narrativa. Educação & Realidade, v. 37, n. 2, p. 409-438, maio/ago. 2012. Disponível em: . Acesso em: 26 out. 2018.

LIMA JUNIOR, A. S. de. Tecnologias inteligentes e educação: currículo hipertextual. Rio de Janeiro: Quarter; Juazeiro/BA: FUNDESF, 2005.

MURRAY, J. H. Hamlet no holodeck: o futuro da narrativa no ciberespaço. Trad. Elissa Khoury Daher. São Paulo: Itaú Cultural/UNESP, 2003.

ORLANDI, E. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas: Pontes, 2001.

Ortega Y Gasset, J. Obras Completas. Madrid: Revista de Occidente, 1947.

RODRIGUES, A. Narrativas digitais, autoria e currículo na formação de professores mediada pelas tecnologias: uma narrativa-tese. 2017. 274 f. Tese (Doutorado em Educação: Currículo) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2017. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2018.

RODRIGUES, A.; GONÇALVES, L. M. Narrativas digitais na formação de professores: da memória, do registro e do discurso emergem posturas e experiências. Revista Contexto & Educação, ano 29, n.94, p. 212-237, set./dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 nov. 2018.

ROJO, R. Gêneros discursivos do Círculo Bakhtin e multiletramentos. In: ROJO, R. (Org.). Escol@ conectada: os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola, 2013. p. 13-36.

ROJO, R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

SANTAELLA, L. Linguagens líquidas na era da modernidade. São Paulo: Paulus, 2007.

SIBILIA, P. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

SILVA, O. S. F. da. Entre letramentos e hipertextos: os letramentos e a constituição da autoria na universidade. In: ARAÚJO, J. C.; DIEB, M. (Org.). Letramentos na Web: gêneros, interação e ensino. Fortaleza: UFC, 2009. p. 153-171.

SOARES, M. Novas práticas de leitura e escrita: letramento na cibercultura. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 81, p. 143-160, dez. 2002. Disponível em: . Acesso em: 16 nov. 2018.

VALENTE, J. A. Integração do pensamento computacional no currículo da Educação Básica: diferentes estratégias usadas e questões de formação de professores e avaliação do aluno. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 14, n. 03, p. 864-897, jul./set. 2016. Disponível em: . Acesso em: 24 out. 2018.

VALENTE, J. A.; ALMEIDA, m. e. b. Narrativas digitais e o estudo dos contextos de aprendizagem. EmRede: Revista de Educação a Distância, v. 1, n. 1, p. 32-51, 2014. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2018.

Xu, Y.; PARK, H.; BAEK, y. A New Approach Toward Digital Storytelling: An Activity Focused on Writing Self Efficacy in Virtual Learning Environment. Educational Technology & Society, v. 14, n. 4, p. 181-191, 2011. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Leitura: Teoria & PráticaAssociação de Leitura do Brasil (ALB)
e-ISSN: 2317-0972 - ISSN da edição impressa: 0102-387X