Produção narrativa oral de crianças e o texto literário

Karin Cozer de Campos

Resumo


O trabalho trata da relação entre a produção narrativa oral de crianças e o texto literário. O objetivo é discutir como o texto literário pode contribuir para potencializar a produção narrativa oral das crianças no ambiente escolar. Toma-se como referência uma pesquisa desenvolvida com um grupo de crianças de uma escola pública. A principal estratégia metodológica foram oficinas de criação de histórias para estimular a produção narrativa oral das crianças. Algumas dessas oficinas tiveram como recurso obras da literatura infantil. Alguns resultados da pesquisa apontam que o texto literário potencializou a produção das narrativas orais das crianças, isto é, a possibilidade de fazer da narrativa literária uma narrativa pessoal. As crianças tomaram o texto literário como referência, reelaboraram-no e criaram as suas próprias histórias a partir de suas experiências, o que inspirou suas produções narrativas orais e seus processos criativos e imaginários.


Palavras-chave


produção narrativa oral de crianças; texto literário; narrativas pessoais

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOWICZ, A. A pesquisa com crianças em infâncias e a sociologia da infância. In: FINCO, D. (Org.). Sociologia da infância no Brasil. Campinas/SP: Autores Associados, 2011.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política. Obras escolhidas. São Paulo: Editora Brasiliense, 1994.

BENJAMIN, Walter. Rua de mão única. Obras escolhidas II. Tradução de Rubens Rodrigues Torres Filho e José Carlos Martins Barbosa. São Paulo: Editora Brasiliense, 2011.

CANDIDO, A. A literatura e a formação do homem. In: CANDIDO, A. Textos de intervenção. Seleção, apresentações e notas de Vinicius Dantas. São Paulo: Duas Cidades. Editora 34: 2002.

CLANDININ, D. J.; CONNELLY, F. M. Pesquisa narrativa: experiências e história na pesquisa qualitativa. Tradução: Grupo de Pesquisa Narrativa e Educação de Professores ILEEL/UFU. Uberlândia: EDUFU, 2015.

DELGADO, A. C. C.; MÜLLER, F. Abordagens etnográficas nas pesquisas com crianças e suas culturas. In: REUNIÃO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 28, Caxambu, 2005. Disponível em: . Acesso em: 26 mar. 2015.

DEWEY, J. Arte como experiência. Tradução de Vera Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

FOX, M. Guilherme Augusto Araújo Fernandes. Tradução de Gilda Aquino. São Paulo: BRINQUE-BOOK, 1995.

GAGNEBIN, J. M. História e narração em Walter Benjamin. São Paulo: Perspectiva, 2011.

GIRARDELLO, G. Voz, presença e imaginação: a narração de histórias e as crianças pequenas. In: FRITZEN, C.; CABRAL, G. (Org.). Infância: imaginação e educação em debate. Campinas, SP: Papirus, 2007.

GIRARDELLO, Gilka. Cultura nos anos iniciais do ensino fundamental: produção narrativa infantil e imaginário midiático. Urban Education PhD Program/City University of New York e Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRGS, Porto Alegre, 2011a. 75p. (Relatório Estágio Pós-Doutoral).

GIRARDELLO, G. Imaginação: arte e ciência na infância. Pro-Posições, Campinas/SP, v. 22, n.2, p. 75-92, maio/ago. 2011b.

GREENE, M. Releasing the imagination: essays on education, the arts and social change. San Francisco: Jossey-Bass, 1995.

HELD, J. O imaginário no poder: as crianças e a literatura fantástica. São Paulo: Summus, 1980.

JEAN, G. Los senderos de la imaginación infantil: los cuentos, los poemas, la realidad. Traducción de Juan José Utrilla. México, D.F.: Fondo de Cultura Económica, 1990.

JOBIM E SOUZA, Solange. Infância e linguagem: Bakhtin, Vygotsky e Benjamin. 10. ed. Campinas, São Paulo: Papirus, 2006.

KEARNEY, R. Narrativa. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre/RS, v. 37, n. 2, p. 409-438, maio/ago., 2012.

KRAMER, S. Autoria e autorização: questões éticas na pesquisa com crianças. Cadernos de Pesquisa, n. 116, p. 41-59, julho, 2002.

LOW, J.; DURKIN, K. Individual differences and consistency in maternal talk style during joint story encoding and retrospection: associations with children's long-term recall. International Journal of Behavioral Development, 25(1), p. 27-36, 2001.

MACEDO, L. & SPERB, T. M. O desenvolvimento da habilidade da criança para narrar experiências pessoais: uma revisão da literatura. Estudos de Psicologia, Natal/RN, v. 12, n. 3, p. 233-241, dez. 2007.

PEREIRA, R. M. R. Pesquisa com crianças. In: MACEDO, N.; PEREIRA, R. R. Infância em Pesquisa. Rio de Janeiro: Nau, 2012.

PERRONI, Maria Cecília. Desenvolvimento do discurso narrativo. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

PETERSON, C.; MCCABE, A. A social interacionist account of developing decontextualized narrative skill. Developmental Psychology, 30(6), p. 937-948, 2003.

SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004.

SILVA, C. C.; RIBEIRO, N. A colcha de retalhos. São Paulo: Editora do Brasil, 2010.

SOUZA, R. J. Ler e compreender: estratégias de leitura. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Leitura: Teoria & PráticaAssociação de Leitura do Brasil (ALB)
e-ISSN: 2317-0972 - ISSN da edição impressa: 0102-387X