Congresso de Leitura do Brasil: projetos e demandas para a formação de leitores

Geniana dos Santos

Resumo


Este trabalho apresenta a constituição do Congresso de Leitura do Brasil em um cenário de disputas e negociação por projetos de formação de leitores. Nesta discussão, destaca-se a contribuição do COLE como espaço de produção de conhecimento sobre a formação de leitores, algo que fortalece a formação inicial para a docência. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, bibliográfica e documental, que considera os contextos de disputa, antagonismo e articulação em prol de uma política de formação de leitores. Como resultado é possível afirmar que o COLE formaliza a constituição de uma comunidade epistêmica e de algumas comunidades disciplinares que atuam como contexto de influência na produção das políticas educacionais voltadas à leitura, ao passo que modificam o âmbito da formação inicial de professores/formadores de leitores por meio de suas práticas discursivas/pedagógicas. Nesse sentido, o COLE se diferencia por ser um espaço potencialmente democrático para produção curricular dos cursos de Letras e Pedagogia, fortalecendo o objeto de estudo leitura no campo da pesquisa educacional.

Palavras-chave


COLE; política de leitura; política de currículo; discurso

Texto completo:

PDF

Referências


BALL, S; BOWE, R. Subject departments and the “implementation” of National Curriculum policy: an overview of the issues. Journal of Curriculum Studies, Londres, v. 24, n. 2, p. 97-115, 1992.

BHABHA, H. K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2013.

CONGRESSO DE LEITURA DO BRASIL, Unicamp, Campinas. Resumos 3º Congresso de Leitura do Brasil. Campinas (1981). Disponível em: https://issuu.com/pesquisaalbmemorias/docs/3___cole_-_resumos. Acesso em: dezembro de 2016.

CONGRESSO DE LEITURA DO BRASIL, Unicamp, Campinas. Tempo de COLE. Disponível em: https://issuu.com/pesquisaalbmemorias/docs/catalogotempocole_2014. Acesso em: janeiro de 2017.

DIAS, R. E. ; LÓPEZ, S. B. Conhecimento, interesse e poder na produção de políticas curriculares. Currículo sem Fronteiras, v. 6, n. 2, p. 53-66, jul./dez. 2006. Disponível em: www.curriculosemfronteiras.org. Acesso em: 05 jan. 2015.

LACLAU, E. Emancipação e Diferença. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011.

LACLAU, E. A razão populista. Tradução Carlos Eugênio Marcondes de Moura. São Paulo: Três Estrelas, 2013.

LOPES, A. C. Discurso nas políticas de currículo. Rio de Janeiro: Faperj, 2011a.

LOPES, A. C. Normatividade e intervenção política: em defesa de um investimento radical. In: LACLAU, E ; MENDONÇA, D. (Org.). A Teoria do Discurso de Ernesto Laclau: ensaios críticos e entrevistas. São Paulo: Annablume, 2015. p. 117-147.

LOPES, A. C. Teorias pós-crítica, política e currículo. Educação, Sociedade & Culturas, Porto, n. 39, p. 7-23, 2013.

LOPES, A. C. Itinerários formativos na BNCC do Ensino Médio: identificações docentes e projetos de vida juvenis. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 13, n. 25, p. 59-75, jan./maio 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.22420/rde.v13i25.963.

MAGNANI, M. R. De leis duras & noivas voadoras – 30 anos de COLE: temáticas e moções, 2009. Disponível em: http://alb.com.br/arquivo- morto/edicoes_anteriores/anais17/txtcompletos/conferencias/Maria_Rosario.pdf. Acesso em: 16 out. 2015.

MINAYO, M.; DESLANDES, S. F.; GOMES, R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1994.

OLIVEIRA, L. de S.; SILVA, L. L. M. da. A biblioteca escolar entre as páginas escritas do Congresso de Leitura do Brasil e da Revista Leitura: Teoria & Prática (de 1978 a 1985). Monografia (Graduação). Licenciatura em Pedagogia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

OLIVEIRA, L. de S.; SILVA, L. L. M. da. 1987 – espaços de leitura nas páginas do Congresso de Leitura do Brasil – COLE (1978-1993). Dissertação de Mestrado, Programa de Pós Graduação em Educação–, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP: [s.n.], 2018.

ORTIZ, J. Comunidades e epistémicas y Políticas Educativas. In: FORO TALLER, POLÍTICAS EDUCATIVAS, UNIVERSIDADE AUTÓNOMA METROPOLITANA, 2010, Xochimilco. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=IoqlnSgptqE. Acesso em: 20 jan. 2015.

QUINAGLIA, Ivana A. L. A leitura da leitura: o que traz a revista Leitura: Teoria & Prática sobre teorias e práticas de leitura. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade de Sorocaba, Sorocaba, 2006.

SANTOS, G. Meu aluno não lê: sentidos de crise nas políticas curriculares para a formação em leitura. 2017. 233 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

SANTOS, G. Políticas curriculares de leitura: crise, antagonismo e negociação no Congresso de Leitura do Brasil (COLE). Curitiba: CRV, 2019.

SILVA, E. T.; SILVA, L. L. M.; OLIVEIRA; L. M. (Org.). Palavras andantes: ensino da leitura – antologia comemorativa. Campinas, SP: Edições Leitura Crítica; ALB, 2018.




DOI: https://doi.org/10.34112/2317-0972a2020v38n79p75-90

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Leitura: Teoria & PráticaAssociação de Leitura do Brasil (ALB)
e-ISSN: 2317-0972 - ISSN da edição impressa: 0102-387X
DOI: https://doi.org/10.34112/2317-0972

Licença Creative Commons